AERONAUTA CONTA AS FALHAS DA AVIAÇÃO DO PAÍS

 


Um piloto de companhia aérea escreveu e um colega nos encaminhou um longo texto que relata algumas das falhas da aviação do país: segundo ele todos os brasileiros que utilizam os transportes aéreos as deveriam conhecer. A seguir reproduzimos apenas as considerações relacionadas com nossa aviação comercial, omitindo opiniões pessoais do autor polêmicas e de natureza política.
Para você entender o que é a aviação no Brasil deve-se partir da seguinte idéia; imagine-se dirigindo um carro BMW luxuoso no meio de um safári na África; é mais ou menos assim que um aviador se sente voando no Brasil; você tem uma tecnologia de ponta dentro do seu avião e um sistema precário e ultrapassado a sua volta. Vou explicar porquê.  
Atrasos: os atrasos no Brasil têm características incomuns comparados ao mundo afora; quando há nevoeiro... somente Guarulhos tem sistema mais preciso para pouso por instrumento, conhecido como “ILS categoria 2”. Curitiba também tem mas lá, é engraçado ,colocam o sistema para  manutenção exatamente em época de nevoeiro. Vergonhosamente Porto Alegre, Florianópolis e Confins não têm esse sistema. Eles sempre fecham por causa de nevoeiro. Manaus, que tem uma localização extremamente estratégica e que sempre tem nevoeiro, também não tem sistema ILS.  Detalhe: "Nos EUA, são mais de 100 aeroportos só com ILS categoria 2", fora os de categoria 1 e 3.
Se você, passageiro, está indo para Porto Alegre, fique sabendo que seu avião não pode alternar Florianópolis caso Porto Alegre esteja fechado. Florianópolis tem um pátio para apenas cinco aviões; l
embrando que no verão Florianópolis recebe mais de 150 vôos de fretamento, além dos regulares. O aeroporto, vergonhosamente, não tem taxiway (pista para a aeronave taxiar até a pista principal), sendo necessário a aeronave utilizar logo a pista principal, gerando espaçamento maior entre as aeronaves que se aproximam, ou seja, ocasionando atrasos. 
Se você está chegando a São Paulo, o problema é parecido pois Guarulhos está sempre com o pátio lotado, da mesma maneira Vitória e Confim. Voar no Nordeste é mais tranqüilo por haver menor tráfego de aeronaves, mas lá há aeronaves militares fazendo treinamento e gerando atrasos que chegam a mais de 20 minutos nas decolagens.
Saibam que o piloto brasileiro se sente mais seguro voando nos EUA, Europa e Ásia do que voando aqui no Brasil, fato decepcionante, que começa na decolagem com a obrigação de encompridar o trajeto, seguindo aerovias que aumentam a quilometragem percorrida e o consumo de combustível.  Não coloco a culpa nos controladores. A culpa não é deles. O sistema brasileiro é que é arcaico e precário. O salário deles é baixo, há muitos "concurseiros" sem compromisso com o seu trabalho e os sérios e dedicados não têm condições de trabalho dignas, cuidam de várias regiões do País e todos sofrem muita pressão.
Eu como piloto de linha aérea digo sem exagero que voar no Brasil hoje é como estarmos voando numa espécie de alerta amarelo.  Acidentes podem estar próximos de acontecer. Ao decolar não significa que temos a certeza de pousar no destino nem no aeroporto de alternativa.  Outro dia cinco aeroportos estavam literalmente fechados por falta de pátio; Confins, Galeão, Vitoria, Guarulhos e Campinas. Você tem que decolar de Brasília para São Paulo com combustível suficiente para alternar Salvador.  
Isso poderá tornar a aviação brasileira inviável, causar a venda de outras companhias para países vizinhos, em decorrência dos impostos elevados, por falta de incentivos ,falta de estrutura e falta de lucidez ; isso que eu chamo de “Entregar a Soberania Nacional". 
Voei muito na Amazônia e garanto que depois que aquilo virar um deserto ninguém mais vai querer assumir. O desmatamento está na razão é de um campo de futebol por segundo. 
Hoje a aviação brasileira é realmente uma surpresa diferente a cada dia, "a mess", (uma bagunça), como a definiu um piloto europeu .  
Nos EUA, Europa e Ásia constroem um aeroporto para atender a demanda futura, daqui a 20 ou 30 anos, já com pátio suficiente para estacionar mais de 100 aviões de grande porte juntos: nada a ver com os puxadinhos brasileiros, que não dão conta nem da demanda atual.  
Enquanto isso, na Índia estão sendo construídos mais de 10 aeroportos maiores do que o de Guarulhos e na China são mais de 70 . Outro absurdo é os aeroportos brasileiros não terem transporte de metrôs: os estrangeiros, quando chegam aqui custam para acreditar que os nossos grandes aeroportos não tem metrôs e acham que é uma piada até entenderem que não existem mesmo. Em qualquer aeroporto no estrangeiro tem esse serviço. 
Tem mais : no Brasil a ANAC leva 30 dias para emitir uma carteira de aeronauta, gerando assim uma queda no salário dos pilotos e comissários e prejuízo também para os empregadores.  Quem vai pagar essa conta? A Anac? O Governo Federal? Nos EUA a mesma carteira é emitida em apenas uma hora pela FAA. Sem deixar de lembrar que no Brasil a ANAC administra um universo de 20 mil pilotos comerciais enquanto os EUA são mais de 600 mil.”É assim que vai a nossa aviação”.