TAP E AZUL INICIAM VOOS EM CODE-SHARE 

 


Primeiro voo será dia 10 de dezembro

 

A TAP portuguesa e a AZUL Linhas Aéreas Brasileiras acabam de implementar um acordo bilateral de code-share de âmbito alargado, que proporcionará a oferta de um vasto espectro de serviços combinados aos clientes de ambas as companhias, a partir do próximo dia 10 de dezembro.

A TAP passa a oferecer, em voos identificados com o seu próprio código, um conjunto de novos serviços para mais de 20 destinos no Brasil operados pela AZUL: nomeadamente, Aracaju, Cascavel, Criciúma, Cuiabá, Campo Grande, Dourados, João Pessoa, Curitiba, Florianópolis, Goiânia, Ilhéus, Juiz de Fora, Joinville, Bauru, Londrina, Maceió, Maringá, Marília, Navegantes, Palmas, Pelotas, Porto Velho, Ribeirão Preto, Rio Branco, São José, Teresina, Uberaba, Uberlândia e Vitória.

Este acordo de code-share com a AZUL, com a qualidade de serviços e foco no cliente que o caracterizam,amplia e consolida a já vasta rede de destinos da TAP no Brasil e constitui, de acordo com o diretor de Alianças e Relações Externas da empresa portuguesa “mais um importante pilar para o estreitamento de uma parceria em construção”.

Na base da reciprocidade, a AZUL passa a disponibilizar serviços identificados com o seu código nos voos da TAP entre os 12 pontos de entrada servidos no Brasil - Fortaleza, Natal, Recife, Salvador, Brasília, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Campinas, Porto Alegre, Manaus e Belém – e Portugal.

Com o início do code-share a TAP, está ampliando as opções de viagem de seus usuários brasileiros, que poderão utilizar os serviços da companhia aérea portuguesa para viajar principalmente para a Europa e a África. De outro lado, sendo a TAP a companhia europeia com mais voos para o Brasil, essa parceria assume aspectos ainda mais estratégicos, além de garantir com as múltiplas conexões oferecidas nos dois países um nível ainda melhor de serviços. No curto prazo está prevista também a interligação dos Programas de Fidelização Victoria e TudoAzul que passarão a oferecer em suas redes múltiplas opções de acumulação de milhas

Os dados desse comunicado Tap, que parcialmente estamos transcrevendo em nosso site, foram elaborados pela jornalista Beti Sefrin, do serviço de imprensa da empresa portuguesa no país e complementam as informações sobre os procedimentos que no curto prazo unificarão os serviços das duas companhias, após a conclusão da compra da Tap pela Azul, já oficializada pelas autoridades de Portugal. Por se tratar de companhias dinâmicas, é previsível que sob a guia de seu novo CEO e com a vinda das aeronaves já encomendadas à Airbus, a nova empresa se tornará uma qualificada competidora de congêneres que operam de/para o Brasil e a Europa, com todas as vantagens proporcionadas pelo hub de Lisboa, verdadeiro trampolim para a expansão não somente para a America Latina e a África, mas também para os Estados Unidos.

A Tap opera atualmente mais de 70 freqüências semanais para 12 cidades brasileiras, possui uma rede que cobre 13 destinos na África e voa para 55 cidades da Europa. Pela qualidade de seus serviços recebeu em 2011,2012 e 2014 da WTA o título de Companhia Aérea Líder Mundial para a África; detém também títulos de Companhia Aérea Líder Mundial para a América do Sul que lhe foram conferido em 2009, 2010, 2011, 2012 e 2014; foi eleita pela revista britânica Business Destinations; foi indicada como a Companhia Aérea com a melhor Classe Executiva da América do Sul em 2013; foi reconhecida como a Melhor Companhia Aérea na Europa em 2011, 2012 e 2013, pela prestigiada revista “Global Traveller” dos EUA, e foi distinguida pela UNESCO e pela International Union of Geological Sciences com o Prêmio Planeta Terra IYPE 2010, na categoria Produto Sustentável Mais Inovador. Entre os títulos de maior destaque no universo da aviação mundial em 2010 foi também considerada a Melhor Companhia Aérea pela revista “Condé Nast Traveller” e em 2011 recebeu o título de Melhor Empresa Portuguesa na área do Turismo.

A Azul, novata frente aos 70 anos da Tap, já se destacou no mercado doméstico conquistando novas rotas e competindo com sucesso nas tradicionais, frente às três congêneres brasileiras. Sua expansão para os Estados Unidos, apesar de freada pelas dificuldades conjunturais da economia nacional e da elevada taxa de câmbio do dólar, se acrescenta à compra da Tap concluída há pouco. Ela pode ser considerada uma empresa atualmente binacional que com a adesão à StarAlliance terá mais um impulso para a integração total ao sistema mundial da aviação.