AEROBLOG DE 12 DE JUNHO

 

A economia do país chegou a um ponto crítico, trágico, entre os piores de sua história, com poucas perspectiva de melhoria num prazo breve. A procura do dinheiro para pagar o essencial está ficando dramática, após que o número de pessoas desempregadas superou os dez milhões. Dizem que também os ricos ficaram “mais pobres”, mas em compensação os bancos estão ganhando bilhões de reais a cada mês. Dizem que é para se proteger dos maus pagadores que eles cobram juros espantosos. De fato o juro que o infeliz precisando de dinheiro deve pagar aos bancos do Brasil, caso precise recorrer ao cheque especial, ficou recordista mundial, meses antes que outros recordes, de caráter esportivo, venham a enriquecer suas estatísticas olímpicas. Na devolução qualquer montante chega a pagar um juro de308% ao ano.

 

OS GASTOS DE QUEM AMA VIAJAR NA SUPER FIRST CLASS

Os norte-americanos e os milionários de outros países estavam à espera, e várias empresas aéreas e marítimas já estão atendendo os seus desejos, com destaque pelos asiáticos enriquecido com o petróleo, (apesar das baixas sofridas pelo produto nos mercados internacionais) criando a chamada super first class em suas embarcações, resorts e aeronaves mais espaçosas. Uma classe que arrecadou no ano passado cerca de 97 bilhões de dólares, junto com outros serviços exclusivos, reservados ao 0,1 por cento dos viajantes mundiais. Quem pode gastar, o faz pagando por uma semana no mais luxuoso hotel-resort de Porto Rico cerca de meio milhão de dólares; ou dispor de áreas reservadas nos navios turísticos da Norwegian por US$ 100 mil per capita, sem contar as suítes de super first class oferecidas em várias empresas aéreas do Golfo por 54 mil dólares para voar entre Dubai e Londres, com a disposição serventes, ducha, sofá, cama de casal e muito mais. E há os milionários independentes: Donald Trup, o candidato à presidência dos Estados Unidos, é um deles, que não sabendo como gastar seus bilhões mandou instalar torneiras placadas em ouro de 18 caratas a bordo de seu avião 757. Outros se limitam a requisitar uma Cadillac com autista para leva-los ao embarque do avião saindo de Los Angeles: por esse serviço pagam UR$ 2.000.

 

A CARESTIA NÃO É PARA TODOS

Com a chegada do frio a crise econômica nacional evidencia ainda mais as injustiças sociais, em cruel contraste com os gastos excessivos de uma minoria. Basta olhar os preços de produtos caríssimos, expostos nas vitrines ou divulgados nas páginas de jornais e de revistas. Na pobreza crescente aumenta o número de brasileiros que moram em favelas, que andam de chinelos , se vestem como podem, comem pouco e mal. As vezes as Igrejas oferecem alimentação aos mais indigentes, mas se multiplicam os relatórios sobre abusos incredíveis, com o quando foi divulgado um relatório da Lava Jato contando os gastos ilegais de um parlamentar e de sua esposa, que num almoço no exterior gastaram mais de R$ 8.000. Mas há muito mais casos que neste regime globalizado expressam os absurdos que podem ocorrer num país capitalista. Quem pode adquire vestidos femininos de Versace ou de Armani, ou relógios de pulso Cartier, cujos preços de fábrica variam de 11.200 euros para os modelos feminino até chegar a 84 mil euros para aqueles dos clássicos masculinos do modelo Santos, em ouro branco e coroa de zafira. Mas não é somente nessas extravagâncias que ocorrem desperdícios: além dos gastos supérfluos pessoais existem os chamados investimentos governamentais. Por exemplo, poucos admitem que num período de crise sejam investidos bilhões nos esportes. No Brasil, às vésperas da Olímpiada - um suposto privilégio que exigiu o investimento de bilhões que estão faltando na assistência sanitária e na ampliação do numero e dos serviços das forças policiais – é difícil admitir, como já ocorreu por ocasião dos jogos mundiais, que esses gastos sejam mais importantes dos dedicados a minimizar a pobreza, a inflação ou o desemprego. A inauguração da Olímpiada será com certeza mais um dos grandes espetáculos que os jugos têm oferecido nas cidades organizadoras, mas permanece a pergunta “Valeu a pena?”, levantada por uma minoria.  Quanto custam ao país os novos recordes que os atletas alcançarão? Sem dúvida o esporte é uma atividade merecedora de amparo pois ter campeões nas competições mundiais é motivo de orgulho . Mas é um fato que o custo da Olímpiada é elevado demais. Tanto que atualmente há países da Europa, entre eles a Itália, onde crescem restrições à candidatura para a edição de 2020, em vista de compromissos financeiros locais mais urgentes, de caráter social, inclusive para o atendimento de centenas de milhares de emigrados que chegam diariamente fugindo da fome e de persecuções. Enquanto isso........