AEROBLOG de 3 de julho

 

PORQUE A FUSÃO AZUL/TAP NÃO FOI CONCLUÍDA

Quando no ano passado se deu por concluída a fusão da Azul brasileira com a aérea portuguesa Tap, a euforia durou até a eleição do novo primeiro ministro de Portugal, Antonio Costa, chefe do Partido Socialista. De fato a vitória de David Neeleman, presidente da Azul e Humberto Pedrosa, este representando o capital investido pelo consorcio Atlantic Gateway, como exigido por lei, não convenceu. E o resultado do leilão de 11 de junho de 2015, ganho às custas da outra concorrente, a Avianca, acabou não sendo aprovado pela agencia de estado que devia legalizar a operação, E após uma serie de manobras, a favor e contra o resultado da privatização, prevaleceu a exigência do Partido Socialista a favor de uma Tap 51% sob controle do Estado, anulando o entendimento feito por ocasião do leilão, que concedia à Gateway 61% do capital da empresa, tendo os vencedores depositado para isso nada menos de 354 milhões. Para manter a sua empresa no negócio, Neeleman recorreu então aos fundos do acordo que, por US$ 450 milhões, havia cedido ao HNA Group chinês 23,7% de participação na Azul e investiu cerca de 100 milhões de dólares em títulos conversíveis em ações preferenciais da Tap, para garantir, como era exigido, a participação de 40% na empresa portuguesa, atualmente controlada por 50% pelo governo, 40% pela Azul e 5% pelos funcionários.

 

Incoerência da politica aeronáutica do País.

O aumento da participação do capital estrangeiro nas empresas aéreas brasileiras, já foi decidido e anulado inúmeras vezes. Enquanto em todos os países os governos apoiam a consolidação da própria indústria de transportes por via aérea, no Brasil a chamada defesa das empresas nacionais se condensa nas restrições oficiais a toda forma de participação estrangeira, para evitar – segundo os que apoiam o bloqueio – que eles tomem conta dela, tirando o controle das mãos dos executivos nacionais.  Até a ex-presidente Dilma, que sempre se distinguiu na defesa de posições nacionalistas, em quaisquer setores da economia do país, após múltiplas pressões havia autorizado o aumento de 20% para 49% do índice de participação de capitais vindo do exterior, pois entendeu que a globalização exigia mais aberturas econômicas e que, em particular a estruturas do setor aéreo do Brasil, sem novos investimentos não tinha prospectivas de progresso. Mas eis que após uma sucessiva abertura, que pareceu excessiva, pois elevava para 100% o capital estrangeiro permitido nas companhias nacionais, outro dia por decisão do Senado até o aumento para 49% antes concedido pela presidente foi suspenso. E assim a Tam, que não é mais Tam mas Latam, continuará cortando voos e perdendo o tráfego internacional por falta de meios para concorrer com as congêneres.

 

OS 40 ANOS DO PRIMEIRO COMPUTADOR DA APPLE

Já se passaram 40 anos desde quando Steve Wozmak apresentou ao mundo o primeiro “computador” Apple. Era o mês de abril de l976 mas a máquina prodigiosa só foi comercializada a partir de julho do ano seguinte, registrando até agosto de 1997 a venda de quase todas as 200 unidades oferecidas ao mercado. A ficha titular do computador tinha 30 chips e um chamado “blank printer circuit board” entre outros misteriosos apetrechos, e vinha com um manual de 16 páginas, que explicava como monta-los. Custava US$ 666,66 . Atualmente as cerca de 30 unidades que sobreviveram ao avanço da técnica estão sendo disputadas por colecionadores de antiguidades .Na Christyiés de Londres um deles foi leiloado por 157.245 euros e na concorrente Sotheby`s, em 2012 um dos últimos exemplares foi vendido por 374 mil dólares. Ele se tornou um sucesso mundial graças a Steve Jobs, o grande pioneiro da Apple.

 

O CRESCIMENTO DA VIOLÊNCIA NO RIO

Dados do Instituto de Segurança Pública do Rio de Janeiro relatam preocupantes aumentos da violência e um número crescente de mortes, na Capital e no Estado, na comparação entre os meses de maio de 2015 e 2016. Foram 84 os casos de mortes decorrentes de confrontos com a polícia, dos quais 40 somente na cidade do Rio; 368 os homicídios; nada menos de 9.968 os casos de roubos nas ruas de todo o Estado, representados por agressões diretas e roubos em coletivos incluindo os de telefones celulares. São estatísticas que apavoram os cariocas.

 

O NOSSO DÓLAR DE CADA DIA.........

O dólar sobe, o dólar baixa : cai o turismo para o exterior, aumenta a vinda de turistas estrangeiros. Melhoram as exportações, diminui o déficit da balança, dos gastos turísticos. Todo dia, todo mês, todo ano a conversa em volta dessas flutuações inicia com a abertura da bolsa e encerra com a última transação no mercado de câmbio. É uma dependência que apenas uma minoria de pessoas físicas consegue evitar, também se não atua nas exportações, no comércio ou em outras atividades econômicas baseadas em valores comparados com a moeda do país. O dólar no mercado brasileiro às vezes parece pouco relacionado com a conjuntura do país, a julgar pelo fato que em plena crise e com os preços subindo diariamente no passado mês de maio o seu valor caiu 11,07% e nos seis meses de 2016 se desvalorizou de 18,6%.Dizem os analistas que isso melhora a balança comercial e ajuda a controlar a inflação. Outros, mais práticos, afirmam que nesse sobe e desce do dólar os que sempre ganham são os cambistas e se perguntam por que o Brasil conserva mais de 350 bilhões de dólares guardados como reservas. Reservas para que e para quando?